Biocombustíveis

Grafeno pode ser criado a partir de açúcar

Tuesday, 16 de November de 2010

Grafeno pode ser criado a partir de açúcar

O açúcar refinado, considerado como um verdadeiro desastre por nutricionistas do mundo inteiro, pode estar prestes a se resgatar. Uma equipe de pesquisadores da Rice University (EUA) descobriu que o açúcar comum, de mesa, pode ser manipulado para formar folhas de grafeno.

Como uma espécie de novo material milagroso, o grafeno poderia ser usado para criar uma nova geração de componentes eletrônicos que utilizariam muito menos energia e ocupariam muito menos espaço também.

Se o processo de transformação de açúcar para grafeno se mostrar comercialmente viável, garantirá para o açúcar um papel fundamental na redução das emissões de gases de efeito estufa e na preservação de recursos em nosso mundo cada vez mais dependente da eletrônica.

Grafeno e a próxima geração da eletrônica

O grafeno foi descoberto há pouco anos e já está transformando os fundamentos do design e da industrialização da eletrônica.
Isso porque o grafeno acontece em folhas com a espessura de apenas um átomo, gerando o potencial por criar componentes muito menores, mais leves, mais rápidos e mais eficientes energeticamente do que qualquer outro existente no mercado, hoje. Mas para isso ainda será necessário um desenvolvimento adicional. Um desafio consistiu em manipular o grafeno para que assumisse formas utilizáveis. Outro será industrializar o grafeno em escala comercial. É aí que entra a nova pesquisa da Rice University.

Do açúcar para o grafeno

A inovação da equipe da Rice University na produção do grafeno é notável não só por ser obtida a partir de material comum e não-tóxico, mas também por poder ser realizada em apenas uma etapa, a uma temperatura relativamente baixa.

Os investigadores verteram materiais ricos em carbono, com o Plexiglass, sobre um substrato de níquel ou de cobre. Quando exposto ao hidrogênio e gás de argônio, o metal agiu como um catalisador, e o material foi reduzido a carbono puro, produzindo uma única camada de grafeno.

Os pesquisadores experimentaram outras fontes de carbono e descobriram que o açúcar comum produzia o mesmo resultado.

Grafeno e as forças armadas norte-americanas

Uma nova geração de equipamentos à base de grafeno, de peso leve, poderia ajudar a resolver um problema logístico que se tornou fundamental à medida que as operações militares foram se tornando cada vez mais dependentes de componentes eletrônicos. O que, por sua vez, aumentou o peso sobre as costas dos soldados nos campos de batalhas. Não surpreende, portanto, que a pesquisa desenvolvida da Rice University tenha sido apoiada conjuntamente pelas unidades de pesquisas científicas da Força Aérea e da Marinha dos EUA.

Tina Casey - Tradução: Equipe Webioenergias



Marcadores: cana-de-açúcar, cana, açúcar, etanol, biocombustíveis, bioenergia, renováveis, biomateriais, grafeno, GEE, sustentabilidade, mud